Brasil tem mais 47 mil casos e 1.352 mortes por covid-19

Ao todo, país já soma 3,4 milhões de infectados pelo novo coronavírus e 109,8 mil óbitos.

Revista Imagem - Publicado em 18/08/2020 19:09


O Brasil registrou nesta terça-feira (18) mais 47.784 casos confirmados de covid-19 e 1.352 mortes relacionadas à doença, segundo dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e pelo Ministério da Saúde.


O balanço eleva o total de infecções para 3.407.354 e o total de óbitos para 109.888. Ao todo, 2.554.179 pessoas se recuperaram da doença, e 743.287 estão em acompanhamento, segundo o ministério. O Conass não divulga número de recuperados.


Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais de casos e mortes devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.


São Paulo é o estado brasileiro mais atingido pela epidemia, com 711.530 casos e 27.315 mortes, sendo 416 somente nas últimas 24 horas. O total de infectados no território paulista supera os registrados em quase todos os países do mundo, exceto Estados Unidos, Índia e Rússia.


A Bahia é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 221.041, mas fica atrás de São Paulo, Rio de Janeiro (14.728 mortes), Ceará (8.196), Pernambuco (7.252) e Pará (5.975) em número de mortos, com 4.542 vidas perdidas para a doença.


O Rio é atualmente o terceiro em número de infecções, com 199.480 casos, seguido do Ceará, que tem 199.258 infectados, e do Pará, com 180.090.


A taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes é atualmente de 52,3 no Brasil – cifra bem acima da registrada em países vizinhos como a Argentina (13,07) e o Uruguai (1,16), considerados exemplos no combate à pandemia.


Por outro lado, nações europeias duramente atingidas, como o Reino Unido (62,35) e a Bélgica (87,06), ainda aparecem bem à frente. Mas esses países começaram a registrar seus primeiros casos antes do Brasil, e o número de óbitos diários está atualmente na faixa das dezenas, com o pico tendo sido registrado em abril e maio.


No último fim de semana, o Brasil completou três meses sem um ministro da Saúde. O posto vem sendo ocupado interinamente desde 15 de maio pelo general Eduardo Pazuello, que não tinha experiência na área e indicou militares para quase todos os postos-chave do ministério.


Na sua gestão, as mortes e novas notificações de casos dispararam no país. Foram mais de 95 mil novos óbitos e mais de 3 milhões de casos registrados desde que a pasta passou a ser gerida por Pazuello e outras dezenas de militares.


Na prática, o ministério, sob os militares, vem referendando sem questionamentos as diretrizes de Bolsonaro, que é contra medidas amplas de isolamento social e que promove a cloroquina como uma "cura" contra a covid-19, mesmo sem embasamento científico.


Sob a intervenção pessoal do presidente e do Exército, a pasta também tentou esconder os números da epidemia no início de junho, mas voltou atrás após ordem do Supremo Tribunal Federal.


Em números absolutos, o Brasil é o segundo país do mundo com mais infecções e mortes por coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos, que já acumulam mais de 5,4 milhões de casos e mais de 171 mil óbitos. A Índia, que chegou a impor uma das maiores quarentenas do mundo no início da pandemia, agora é o terceiro país mais afetado, com 2,7 milhões de casos e 51 mil mortos.


Ao todo, mais de 21,9 milhões de pessoas foram infectadas pelo vírus em todo o planeta, enquanto mais de 777 mil morreram em decorrência da doença, segundo contagem mantida pela Universidade Johns Hopkins.

Por Deutsche Welle


Russi 1

Brandão 3

Expressa 3

Recco 1

CNA 1

Souza 1

Informe erro na matéria ou
envie sua sugestão de notícia

© Copyright 2020 

Gráfica e Editora Expressa Ltda.

  • Ícone do Facebook Branco