Dez casos suspeitos de varíola dos macacos são investigados em Rondônia, diz Agevisa

Outros sete casos já foram analisados e descartados. Até o momento, nenhum caso da doença foi confirmado pelo governo de Rondônia.
 

Revista Imagem - Vilhena-RO | 02/09/2022 - 08:38


Dez casos suspeitos da doença “Monkeypox”, conhecida como varíola dos macacos, estão sendo investigados em Rondônia. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (31) pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa).


Segundo a Agevisa, 17 casos foram notificados como suspeitos no estado até o momento, mas sete deles já foram descartados. Os outros dez são monitorados. Para evitar o contágio pela doença, a pasta orienta que a população adote medidas preventivas.


Até o momento, o governo de Rondônia não confirmou nenhum caso da varíola dos macacos entre os moradores do estado. A Agevisa orienta que o atendimento inicial por suspeita da doença deve ser realizado, preferencialmente, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).


Principais sintomas

  • Aparecimento de lesões parecidas com espinhas ou bolhas que podem surgir no rosto, dentro da boca ou em outras partes do corpo, como mãos, pés, peito, genitais ou ânus;

  • Caroço no pescoço, axila e virilhas;

  • Febre;

  • Dor de cabeça;

  • Calafrios;

  • Cansaço;

  • Dores musculares.


Como se prevenir contra a monkeypox

  • Evitar contato íntimo ou sexual com pessoas que tenham lesões na pele;

  • Evitar beijar, abraçar ou fazer sexo com alguém com a doença;

  • Higienização das mãos com água e sabão e uso de álcool gel;

  • Não compartilhar roupas de cama, toalhas, talheres, copos, objetos pessoais ou brinquedos sexuais;

  • Uso de máscaras, protegendo contra gotículas e saliva, entre casos confirmados e contactantes.


A transmissão pode ocorrer das seguintes formas:

  • Por contato com o vírus: com um animal, pessoa ou materiais infectados, incluindo através de mordidas e arranhões de animais, manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Ainda não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, embora os roedores africanos sejam suspeitos de desempenhar um papel na transmissão da varíola às pessoas;

  • De pessoa para pessoa: pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou feridas de uma pessoa infectada, durante o contato íntimo – inclusive durante o sexo – e ao beijar, abraçar ou tocar partes do corpo com feridas causadas pela doença. Ainda não se sabe se a varíola do macaco pode se espalhar através do sêmen ou fluidos vaginais;

  • Por materiais contaminados que tocaram fluidos corporais ou feridas, como roupas ou lençóis;

  • Da mãe para o feto através da placenta;

  • Da mãe para o bebê durante ou após o parto, pelo contato pele a pele;

  • Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.

 

Por Revista Imagem |Fonte G1

Russi 1
Brandão 3
Expressa 3
Recco 1
CNA 1
Souza 1
AnuncieAqui_edited.jpg
Expressa.jpg
AnuncieAqui_edited.jpg
Informe erro na matéria ou
envie sua sugestão de notícia

Mensagem enviada com sucesso! Entraremos em contato se for o caso.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS