Após período de emergência, Saúde excluirá vacinas sem registro definitivo

Medida afetará CoronaVac e Janssen. Por enquanto, apenas a AstraZeneca e a Pfizer têm registro definitivo para uso no Brasil.
 

Revista Imagem - Vilhena-RO | 02/09/2021 - 08:32


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira (1º), que, passado o período de emergência sanitária, vacinas contra a covid-19 que não tiverem registro definitivo na Anvisa serão excluídas do Programa Nacional de Imunização (PNI), é o caso da CoronaVac e da Janssen.


Em entrevista ao portal R7, Queiroga explicou que o aval permanente da reguladora é premissa para a continuidade da distribuição. Por enquanto, apenas a AstraZeneca e a Pfizer têm registro definitivo para uso no Brasil.


O Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, tem contrato firmado com o Ministério da Saúde para fornecer 100 milhões de doses da CoronaVac. A entrega deve ser concluída até o fim deste mês e, até agora, não há perspectiva de novos contratos.


Na semana passada, a Anvisa rejeitou a aplicação da CoronaVac em crianças e adolescentes entre 3 e 17 anos, fator que acaba servindo como mais uma barreira nas negociações. O contrato federal com a Janssen prevê entrega de 38 milhões de doses até o fim do ano.


“Essas vacinas que têm registro emergencial são usadas nesse momento porque vivemos uma emergência sanitária, e as que possuem registro permanente não são suficientes para suprir as necessidades do nosso sistema. […] Cessado o caráter emergencial, esse registro provisório não vai servir mais como ingresso para o sistema de saúde brasileiro”, afirmou Queiroga.

 

Por Revista Imagem | Texto: Afonso Marangoni

Russi 1
Brandão 3
Expressa 3
Recco 1
CNA 1
Souza 1
AnuncieAqui_edited.jpg
Expressa.jpg
AnuncieAqui_edited.jpg
Informe erro na matéria ou
envie sua sugestão de notícia

Mensagem enviada com sucesso! Entraremos em contato se for o caso.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS